Refletindo e iluminando palavras e sentimentos.

quarta-feira, 23 de março de 2011

Canto das pedras

Ouço pedras
Que cantam sonhos
Em suas formas dissonantes
Gritantes e angustiantes.

Liberam seu peso
Enquanto mar
Adicionando areia
Ao seu arenoso sonhar.

Oram e oram ao tempo
No relento ao vento
Na sua eternidade de pedra.

Indiferentes ao mundo
E seus ardores laços
A pedra ao fundo
Só se rende em pedaços.

Fragmentos soltos
Que coabitam a era
Separando canteiros
Cantando primaveras.

Igual a poesia
Que pesada no peito
Transborda beleza
Enfeitando a elegia.

Pedra e melancolia
Que brotam do vento
Tocam os céus
Vestem nuvens
E viram pó.

E o vento vem
E a água leva
Transformam pedras.


Nascem em livres cachoeiras
Que vertem vida
Perdidas entre pedras
águas adormecidas.


Árias áridas
Imóveis moinhos
Matérias cálidas
Eternos caminhos.


Ouço pedras
Quando deito e ao acordar
Que renovam o leito
Do meu rio que corre pro o mar.
®IatamyraRocha

Silêncios / Efêmero 
Transparências / Palavras ao vento 




Nenhum comentário: